12 de janeiro de 2018

Resoluções e/ou Desejos de Ano Novo

Nunca percebi se as resoluções de ano novo se encontram com as 12 passas à meia noite da passagem para o ano novo ou se são apenas concorrentes. 

Ou seja, a resolução de ano novo será apenas resultante da preguiça de pedir os desejos em cerca de 30 segundos engolindo 12 passas à bruta (em Espanha é mesmo com uvas o que deve tornar o processo ainda mais complicado e, para além do primeiro nascimento do ano, devem ter igualmente a tradição do primeiro falecimento do ano por sufocamento).

Em primeiro lugar, pedir 12 desejos através da ingestão de passas já me parece uma coisa absolutamente extraordinária. Confiar o destino e o futuro do ano numa espécie de uva seca e mirrada é revelador da insanidade mental que perpassa pelas pessoas. Eu experimentei uma vez e, sejamos sinceros, a menos que estejamos a pedir coisas repetidas, a partir do 4º ou 5º desejo só nos lembramos apenas de futilidades (a não ser que sejamos muito específicos e, em vez de pedir saúde em geral para todos, o 1º desejo seja saúde para aquele meu joelho que me dói muito quando me levanto, e assim por diante).

As resoluções, ao contrário dos desejos que são coisas que à partida não dependerão de nós mas sim dos astros/deuses/cenas, são coisas a que nos propomos, o que obriga a um nível de responsabilidade muito maior e que, normalmente e se tudo correr bem, nunca serão cumpridas. Por exemplo, "começar a fazer mais exercício físico" é normalmente uma resolução que começa a ser pensada uns meses antes mas que a pessoa não concretiza porque vai deixar para o início do ano seguinte (provavelmente no início do ano toma essa resolução e um dos desejos das passas será não falecer desse exercício físico ou que os governos proíbam a prática de exercício).

Eu só tenho uma resolução para cada ano novo que vai passando: tentar manter-me vivo. Este será sempre o ponto de partida para a concretização de qualquer desejo.

Estrangeireiting

Vivemos na era dos termos estrangeirismos. De repente tudo dito numa língua estrangeira parece ter um encanto sobrenatural que nós queremos obrigatoriamente vivenciar.


Vamos a uma superfície comercial e, onde antigamente se chamava "senhora a fazer um empadão numa maquineta" hoje chama-se "showcooking". 


Já ninguém corre nos nossos dias, agora são tudo "runners" a fazer "running". Mas curiosamente estes continuam a ter dores de burro (e não "donkey pains") provavelmente porque quando lhes dá a dor percebem o quão burros foram em começar a correr. O próprio acto simples de andar adoptou também um floreado, "footing". E pelo meio dos 2 temos o "jogging", que não é bem andar nem é correr que nem loucos como se tivessem saído de um assalto a uma bomba de gasolina, é uma espécie de corrida arrastada, ou como tecnicamente se chama, o sofrimento em estado puro.


Também no trabalho deparamo-nos diariamente com toda a espécie de estrangeirismos. A seguir aos meetings temos logo de dar feedback por email com a check-list das coisas lá faladas.


Não é que eu tenha nada contra o que venha lá de fora, sejam expressões ou pessoas. O que realmente aborrece é que, na grande maioria das vezes, isto é tudo para armar aos cucos (ou em português "to arm the cuckooos").

30 de novembro de 2017

Belmiro Azevedo

A capa mais estúpida dos últimos tempos...


Pior só se fosse "Um homem Público... que pensou além do Continente... mas que foi quase sempre Optimus como gestor... esperemos que as suas ideias Worten sempre porque ele era um Modelo"


15 de setembro de 2017

Renacer

Eu não faço ideia se Oeiras vai ou não renascer (pela lista de candidatos não auguro nada de bom), agora o que salta à vista é que a Sónia renasceu de um cartaz para outro.


Hossanas ao Photoshop!!

19 de junho de 2017

Autárquicas 2017 - Oeiras (Inovar Oeiras De Volta)




No momento em que escrevo isto, o site da candidatura de Isaltino Morais a Oeiras (www.isaltino2017.net) tem apenas esta página, não existindo qualquer programa ou ideias para o concelho.


Isaltino, que esteve preso por fraude fiscal e perdeu um mandato com base nestas acusações, acha que vale apenas por si, já que os amigos são para sempre (se calhar vai ter como banda sonora o "Amigos para Siempre" interpretada pelo Jose Carreras e Sarah Brightman para os Jogos Olímpicos Barcelona).

Uma coisa é certa: nós olhamos para o aspecto do Isaltino e ficamos com vontade de ir passar uns tempos na Carregueira, já que aqueles anos na cadeia resultam melhor do tomar um combinado de Calcitrin-CálcioMais-CogumeloDoTempo-Protezon enquanto usam aquela joelheira que produz iões que entram pelo corpo a dentro e nos metem logo bem-dispostos (quer dizer, vontade de ir para a Carregueira desde que nos garantam que possamos tomar banho descansados sem estar encostados permanentemente às paredes).


Isaltino foi condenado por crimes cometidos no exercício das suas funções na edilidade oeirense. E, infelizmente para mim, naquele exercício tão sui generis dos eleitores, denominado "ele rouba mas faz obra" terá grandes probabilidades de vencer estas eleições.

31 de maio de 2017

Autárquicas 2017 - Oeiras (Renascer Oeiras)



Respeito bastante os movimentos independentes nas autárquicas, acho que foram uma grande vitória da democracia, principalmente quando são efectivos movimentos de cidadãos que querem fazer algo da sua terra ou da terra onde vivem (infelizmente a maior parte dos movimentos independentes que ganham eleições ainda são apenas candidatos que foram excluídos pelos seus partidos em detrimento de outras pessoas).

Não me vou pronunciar muito sobre este movimento porque não conheço para além destes slogans que nunca dizem verdadeiramente nada, servem apenas para preencher cartazes:

- "Reafirmar a política com valores", é difícil alguém ganhar a dizer que vai fazer política sem valores (mesmo que efectivamente depois isso se concretize na realidade);

- "Connosco todas as pessoas contam", é difícil no mundo dito ocidental alguém dizer que não conta com os coxos ou os zarolhos ou os vegans e ganhar eleições (talvez apenas Trump já tenha conseguido isso);



Agora uma coisa salta à vista nesta candidatura que é uma possibilidade real de joint-venture com a candidatura de Paulo Vistas. Se este tem um slogan "Olhar em Frente", a candidatura Renascer aposta num singelo "É por aqui, Oeiras".


Mais do que candidaturas, com estes slogans, mais parecem indicações rodoviárias. Ficamos assim à espera do slogan das candidaturas do PSD (talvez um "Onde estás, Oeiras?") e a independente de Isaltino Morais (proponho um "Já cheguei, Oeiras")


26 de maio de 2017

Autárquicas 2017 - Oeiras (Joaquim Raposo)

Depois de um candidato independente a Oeiras temos agora um candidato do aparelho partidário do PS.


Já foi presidente da Câmara Municipal da Amadora, devendo-lhe ter ficado o gosto de vir à praia em Oeiras para agora ser candidato a esta edilidade.


Tem um sistema de cartazes muito interessante na medida em que parece ter muitos projectos (sic)"para o que não foi feito". Seria mais difícil justificar ter projectos para coisas que já se encontrem feitas, o que nos leva sempre para a inutilidade deste tipo de slogans em eleições (imaginem que ele dizia "Tenho o projecto de fazer uma piscina já está feita" - não iria funcionar tão bem como slogan, não era?


A maioria dos projectos passam por utilizar betão e alcatrão para fazer túneis e rotundas. O projecto que eu mais gosto é indubitavelmente o do túnel rodoviário na Marginal junto à praia de Santo Amaro que vai permitir às pessoas, que actualmente passam por debaixo da estrada, comecem a passar por cima estrada e as viaturas obviamente ao contrário (viva o dinheiro dos outros para torrar!!!!). A única utilidade parece ser os consumidores ávidos de MacDonalds terem um acesso directo em linha recta a esse produtor de colesterol.


Nas fotos dos cartazes, para além de irradiar uma simpatia semelhante a uma porta basculante de um shopping e um penteado que me remete para o sul de Itália, Raposo parece estar sempre a avaliar a qualidade da mesa sobre a qual gere os projectos (ou então parece apenas um projecto humano de taxidermia).


Viva as autárquicas!!!










Autárquicas 2017 - Oeiras (Paulo Vistas)

Quanto temos o Vistas a "Olhar em Frente", só falta o patrocínio do Alberto Oculista para isto ser perfeito... tudo isto para o movimento independente Oeiras Mais à Frente.


Ou a onda de slogans que são apenas frases sem qualquer conteúdo mas parecem ficar bem em cartazes.


Quando penso no mais à frente e o no olhar em frente só imagino pessoas a correr muito rapidamente, aos gritos e cheios de medo, sem olhar para trás.


Bem-vindos às autárquicas!!

22 de janeiro de 2016

Presidencias 2016 - Marisa Matias




Marisa Matias pode beneficiar do renascimento recente do Bloco Esquerda para ter uma excelente votação (o que no caso dela seriam entre 8 a 10 por cento). Para além disso, segundo os analistas, está a fazer uma excelente campanha.


Ao contrário do que muitos dos candidatos pensam, fazer uma boa campanha não passa por entrar em cafés para comer bolos e falar de bola com o empregado de balcão, entrar em lares para beijar velhos que estão 8 horas presos num cadeirão, jogar à bola com crianças ou ir a fábricas de chouriças pela enésima vez e fazer a mesma cara de espanto que os cães fazem a qualquer coisa como se fosse sempre uma novidade.


Uma boa campanha é ter uma boa agenda onde se possam discutir matérias efectivamente relevantes para o país (não contar o número de copos de aguardente de cana que se metem na confecção de uma poncha durante uma visita a um bar madeirense "1 copinho, 2 copinhos, 3 copinhos, 4 copinhos, 5 copinhos" by Marcelo).


De não ter tentado discutir diversas matérias fulcrais para o país ninguém pode acusar a Marisa Matias e o Bloco de Esquerda. E isso, pelo menos, já será uma vitória para a democracia.